Últimas Notícias
Capa / Artigos / Revertendo efeitos colaterais do tratamento oncológico
Revertendo efeitos colaterais do tratamento oncológico

Revertendo efeitos colaterais do tratamento oncológico

Após tratamentos oncológicos até 70% dos pacientes queixam-se de fadiga, estresse, depressão e alterações de memória, o que acaba por piorar a qualidade de vida e desempenho nas atividades diárias, como executar mais de uma tarefa ao mesmo tempo ou dificuldades para encontrar a palavra certa.

Em um estudo publicado recentemente no periódico Journal of Clinical Oncology mais de 200 pacientes, a maioria mulheres e com déficits cognitivos persistentes, que atrapalhavam sua qualidade de vida, iniciaram um treinamento em um programa de computador.
O programa usava exercícios adaptados para estimular atenção, memória e inteligência, e a atividade recomendada foi de quatro sessões de 40 minutos por semana durante 15 semanas.
A vantagem adicional é que o software podia ser acessado on-line, da casa dos pacientes, o que aumentava bastante a adesão aos exercícios.
As pessoas que realizaram essas atividades mentais apresentaram a longo prazo melhor função cognitiva, menos estresse e melhor qualidade de vida.

Independentemente da utilização de um programa específico, há algum tempo já é sabido que estimular o desenvolvimento cerebral por meio de exercícios neurocognitivos é muito importante para manter a qualidade de vida.

Exercícios de memória, palavras cruzadas, sudoku, entre outros, podem ser uma ótima maneira de distração enquanto ajudam na manutenção das funções cerebrais e o recado deixado para todos nós é o de que vale a pena estimular essas atividades sempre que possível.

Para conhecer o programa que foi usado nesse estudo basta acessar o link (com versão em português) – http://www.brainhq.com/

 

Outros aplicativos de smartphone também podem ser muito úteis como o app PEAK, que tem a mesma função.

Vale a pena conhecer e fazer os exercícios!

Leia na integra o artigo do Journal Clinical Oncology em: http://ascopubs.org/doi/full/10.1200/JCO.2016.67.8201

 

 

 

FONTE: www.Medscape.com.br

339 Visualizações 1 Visualizações Hoje

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*